A BATWOMAN ESTÁ CHEGANDO NO ARROWVERSE!


RUBY ROSE DÁ VIDA PARA A 
VIGILANTE DE GOTHAM!


Estamos cada vez mais próximos da estreia de Batwoman, a mais nova produção da DC Comics em pareceria com a CW, e que reforça e expande ainda mais o seu universo de séries conectadas!
Focada na personagem de mesmo nome, a série será a primeira do Arrowverse a trazer uma integrante da Bat-Família para as telas, e promete ser um dos pontos mais altos das séries de super-heróis, principalmente quando o assunto é diversidade.


A BATWOMAN ESTÁ CHEGANDO NO ARROWVERSE


A personagem foi criada em 1956, durante a Era de Ouro dos quadrinhos, e tem sua identidade secreta pertencente a Kathy Kane, uma ex-acrobata de circo que armada de uma moto e apetrechos semelhantes ao de Batman, sai pelas noites de Gotham a fim de descobrir a verdadeira identidade do homem-morcego.

A Batwoman foi reformulada nos anos 2000, e ganhou  mais destaque nas histórias da DC Comics após o arco “Batalha pelo capuz”.  Por sua vez, ela também ganhou uma nova origem, sendo apresentada agora como Kate Kane,  uma ex-militar, que após ser expulsa das forças armadas, (após ter sido descoberta sua homossexualidade) decide tornar-se uma justiceira mascarada em Gotham City, e com a ajuda de seu pai(um também ex-militar), desenvolve alguns apetrechos e uniformes para Batman nenhum botar defeito. Ela e seu pai se tornam uma espécie de Batman e Alfred; e a partir dali, ela passa a ser conhecida como a Batwoman.

Um fato curioso, foi que a versão original da Batwoman, só foi criada em 1956 para abafar alguns críticos da época, que diziam que Batman e Robin tinham um relacionamento homossexual!
Portanto, a DC Comics resolveu introduzir Kathy Kane nas histórias da dupla dinâmica para gerar um interesse amoroso entre ela e Batman, e assim, apaziguar um pouco os críticos.

Ironicamente, hoje sabemos que a própria Kate Kane, nova versão da Batwoman, é uma personagem homossexual.




Já foi confirmado que Batman não irá aparecer no Arrowverse, porém o fato de Batwoman estrear no universo pode indicar uma forte influência do homem-morcego nas escolhas da personagem; que além de ganhar sua própria série, participará de crossovers com os demais shows da CW.

E a escolhida para levar esse nome tão importante de Gotham e para a diversidade dos quadrinhos foi a australiana Ruby Rose.
A atriz escolhida, também acumula muitas batalhas em sua vida. Assim como sua personagem, Ruby é lésbica. A moça tinha apenas 12 anos quando resolveu assumir sua escolha sexual.  Mesmo enfrentando bullying e perseguições durante sua adolescência, Ruby sempre deixou claro suas opções e mostrou muita personalidade durante o início de sua vida, traço que seria seu maior ponto forte durante a vida. Aos 16 anos, chegou a ser internada após diversas agressões no colegial.

Ainda em sua adolescência, Ruby tem mais um trauma em sua vida; e agora é mais doloroso ainda, porque vem de sua própria família. Ruby é abusada sexualmente por um parente próximo, fato que a leva a desenvolver uma espécie de transtorno bipolar com tendência depressiva. O fato desencadeia um trauma muito grande na mente da jovem, que tenta cometer suicídio ainda em sua juventude. Parecia que a vida de Ruby seria um eterno martírio, e provavelmente seria, senão fosse seu amor pelas artes.

Ruby encontrou nas artes um refúgio para sair daquele mundo de dor e mergulhar em uma tela onde ela podia ser a obra que quisesse, o personagem que quisesse, independente de sua escolha sexual, corte de cabelo, ou fantasmas do passado que a atormentasse. Seus primeiros trabalhos foram pequenas pontas em produções menores na Austrália, porém foi com participações em programas da MTV que Ruby tornou-se uma das VJ’s do canal e iniciou sua carreira frente ao grande público. Participou de alguns reality’s shows, premiações e campanhas publicitárias para grandes marcas como a Maybelline, por exemplo. Mas foi no sucesso do Netflix “Orange is the new black”, que sua carreira decolou de vez, ao interpretar a personagem Stella.

Depois disso, ela sentiu o gosto da fama, e esse gosto não saiu mais de sua boca. Se sucederam papéis em “XXX – Reativado “ e em “A escolha perfeita 3” que fizeram a atriz pavimentar seu caminho frente aos grandes estúdios. E por fim, chegou 2018, que parece ser o grande ano da carreira de Ruby, com sua participação no blockbuster  “Megatubarão”, e a confirmação de sua introdução no Arrowverse como a Batwoman, mostrando que a atriz finalmente chegou ao ponto alto de sua carreira, e se depender da garra e do talento de Ruby, “o topo” será um lugar cada vez mais comum em sua carreira.

Membro ativo de causas sociais e descendente de indígenas, é impossível não se apaixonar pelo charme da morena em cena. Com um carisma natural, a pisciana deixa a plateia sem fôlego toda vez que aparece em alguma cena de ação ou até mesmo em personagens com maior carga dramática. Seu corte de cabelo estiloso e suas tatuagens espalhadas pelo corpo a tornam um típico exemplo de “femme fatale”,que busca suas próximas conquistas com perseverança e muito técnica; isso sem contar seus maravilhosos olhos claros.



A BATWOMAN ESTÁ CHEGANDO NO ARROWVERSE


Com sua personalidade inabalável e continuando a fazer boas escolhas em sua vida, a morena que já teve sua beleza comparada a de Angelina Jolie, tem tudo para deixar para trás todos os seus medos; e seguir sua carreira, que apesar de conter vários trabalhos, está apenas no começo.
Mas, no mundo em que vivemos, nem tudo são flores...

Após a CW divulgar a escolha de Ruby para o papel de Batwoman, as redes sociais foram enxurradas de mensagens para a atriz, e infelizmente nem todas elas foram de apoio. Em poucos dias depois da alegria de ser escolhida para o papel mais importante de sua carreira, Ruby teve que desativar sua conta no Twitter, ao ser vítima de inúmeras ofensas homofóbicas de membros da rede social.
Como senão bastasse todas as batalhas que Ruby já travou em sua vida, mais uma pedra surge em seu caminho, a intolerância sexual, que novamente volta a fazer parte da vida da australiana.

É curioso vermos que aos 12 anos, Ruby sofria os mesmos problemas, que sofre agora com 32 anos, mostrando que o preconceito atravessa o tempo, e parece cada vez mais estar presente na vida de todos, nos quatro cantos do mundo. Que mundo no qual vivemos é esse que nos obriga a seguir uma imagem de um “padrão” que não existe? Que mundo é esse que os criminosos perderam a vergonha e manifestam seu ódio pelas diferenças explicitamente? Que mundo é esse que uma jovem tem que se privar de compartilhar seus momentos mais alegres por causa de agressores que não têm o mínimo pudor em suas faces?


Cercada de expectativas, o show trará muita ação, boas doses de drama, e acima de tudo, muita humanidade!
Em um mundo onde o ódio parece se tornar algo comum, e muitas vezes, até um artifício utilizado por grandes autoridades, Batwoman vem para despertar o lado mais emotivo dos telespectadores, e conscientizar por meio da ficção, as ações e consequências de nosso cotidiano.
Quando vemos a cidade de Gotham em quadrinhos, filmes e animações, nos deparamos com um ambiente de caos e desespero, nos deixando com a impressão de que somente quem tira proveito dos mais fracos e alimenta o ódio, é que consegue se dar bem.

Parece exagero, mas essa realidade de Gotham não é um panorama muito diferente do temos em nossa realidade. Com a violência e a descrença em um futuro melhor aumentando a cada dia.




“Precisamos de mais Rubys no mundo, para lembrarmos dia após dia, de toda a diversidade que existe no planeta; e do respeito que cada uma delas merece”




Nenhum comentário:

Postar um comentário