JARED LETO VS. DC COMICS: A ORIGEM DA INJUSTIÇA


OS MOTIVOS PARA OS DCNAUTAS RESPEITAREM JARED LETO




Uma das interpretações mais polêmicas e controversas desta década; que correu o risco de sepultar por anos o vilão mais icônico da história da cultura pop, além de um dos atores mais promissores.
Exagerada, peculiar, original, autêntica, incompreendida, famigerada, injustiçada, incompleta, decepcionante...

Tantos adjetivos para apenas um nome, mas não APENAS um nome; um nome polêmico e de um talento único, o nome de Jared Leto, e sua interpretação do Palhaço do Crime, o Coringa.
Leto encarnou um Coringa mais “colorido” que o de costume. Uma explosão de exageros e peculiaridades na tela do cinema. O filme Esquadrão Suicida, lançado em 2016, é alvo de debates até hoje, e será por muitos anos, ainda mais com uma sequência vindo por aí.

Sequência essa, que não terá Leto no elenco. Suas críticas negativas não deixariam o diretor James Gunn trabalhar com tranquilidade e tiraria o sono de muitos DCnautas pelo mundo afora. Mesmo assim, o ator admitiu em recente entrevista que aceitaria voltar a interpretar o Palhaço do Crime de Gotham, desde que o enredo de alguma produção lhe agradasse.

O Coringa de Leto é diferente de tudo já visto nos cinemas e até mesmo nos quadrinhos; com um estilo de gângster, e abusando de figurinos chamativos e jóias espalhadas por seu corpo. Nada disso lembra muito aquele Coringa psicótico de Heath Ledger, o Coringa mais sombrio de Jack Nicholson , o sarcástico Palhaço do Crime de Mark Hamill na série animada do Batman, ou o mais recente e humanizado Arthur Fleck, de Joaquim Phoenix.

Leto usou de todo seu talento para construir um personagem único e icônico, e bom, nisso ele teve muito sucesso. Seu Coringa é autêntico e não se parece em nada com a maioria dos exemplares que já vimos antes.

Mas por que tantas pessoas criticaram Jared por sua interpretação? Será exclusivamente sua a culpa do filme do Esquadrão Suicida ter rendido menos do que podia? Ou ele será apenas um bode expiatório de um projeto que não se sustentou?

São essas perguntas que tentaremos responder agora!




Jared Leto é conhecido por mergulhar de cabeça em seus papéis, inclusive em seu currículo podemos ver transformações extremamente ousadas e corajosas do ator; que já viveu por cinco meses nas ruas para dar vida a um usuário de drogas em Réquiem para um sonho; e já ficou até "cego" por alguns meses para interpretar Wallace, vilão de Blade Runner 2049.
O também cantor(vocalista do 30 seconds to Mars), traz como maior destaque em sua filmografia, o Oscar de melhor ator coadjuvante por dar vida à Rayon, uma transexual portadora do vírus HIV, no longa Clube de Compras Dallas. Papel que exigiu uma dieta rígida do ator, além de procedimentos estéticos como raspar suas sobrancelhas.
Um ator tão versátil e aclamado pela crítica seria o ideal para qualquer super-produtora que quisesse expandir um universo de blockbusters no cinema.


O CASO “JOKER”

Em 2014, Leto foi anunciado como o ator que levaria o Coringa de volta aos cinemas, no filme Esquadrão Suicida. O Coringa já havia sido interpretado no cinema por grandes atores, mas foi na versão de Heath Ledger em Cavaleiro das Trevas que o personagem entrou de vez na galeria de maiores vilões da história do cinema.

Ledger acabou falecendo após sofrer uma overdose acidental de medicamentos em seu apartamento, antes mesmo de Cavaleiro das Trevas ser lançado nos cinemas.  Mas sua interpretação foi histórica e o ator recebeu o Oscar Póstumo de melhor ator coadjuvante; um dos prêmios mais merecidos de toda a história do cinema.

Era de se esperar que o próximo ator que assumisse o papel do Coringa carregaria em suas costas um mundo inteiro de responsabilidade, e naquele momento o nome de Leto parecia ser o mais adequado ao projeto.
O ator, conhecido por suas multifaces na sétima arte, agarrou o projeto e tornou-se o Coringa em tempo integral. Claro que Jared não saiu explodindo prédios por aí, mas o seu método de entrar no personagem chegou a assustar até mesmo os outros atores e funcionários do estúdio a sua volta.
Durante as filmagens de Esquadrão Suicida, Jared não saía do papel de Coringa, nem mesmo aos intervalos da gravações, e empunhava armas pelo set, sempre ditando frases e ordens a lá Joker.

Atores do nível de Will Smith e Margot Robbie também foram alvo do método do ator, ao serem presenteados com “mimos peculiares” como um cadáver de porco, e outro de um rato, por exemplo.
A verdade é que Jared vendeu muito bem seu papel e o filme utilizou muito do ator em sua campanha de marketing. Entretanto, após algumas interferências da Warner Bros na direção de David Ayer do longa, o filme acabou perdendo muito de sua essência; e o mais prejudicado disso foi Leto, que teve grande parte de suas cenas excluídas do longa.

Após a estreia de Esquadrão Suicida, o filme foi muito criticado por fãs e pela crítica, mesmo assim conseguiu uma boa bilheteria de mais de US$740 milhões de dólares ao redor do mundo.


Todos os Coringas do cinema


Jared Leto foi um dos principais alvos das críticas, por entregar um Coringa mais “colorido e espalhafatoso” do que o que conhecemos das outras versões. E realmente vários trejeitos do personagem foram má escolhidos por Leto, e em vários momentos aquele na tela passa longe do Palhaço do Crime que tanto amedronta a cidade de Gotham.
Porém em vários momentos Leto é competente e entrega uma versão mais gângster e sádica do personagem. Suas tatuagens não são um grande problema, pois já haviam sido vistas nos trailers e ninguém havia reclamado, ao contrário, o hype era altíssimo. Mas seu figurino foi muito mal escolhido, e suas falas chegaram a ser vergonhosas em muitos momentos (estes dois últimos fatores, culpa do estúdio e da direção, e não de Leto).

Provavelmente Leto não deve retornar para a sequência de Esquadrão Suicida, dirigida por James Gunn; e nem deve aparecer em mais nenhum projeto do atual Universo da DC Comics nos cinemas. Isso pode soar injusto para alguns ou merecido para outros; mas Leto é um ator extremamente talentoso e que vende muito bem seus projetos; um astro que é sempre bom ter por perto, devido ao seu grande leque de cartas na manga e possibilidades criativas.


Leto sempre foi assim, um personagem representando outros personagens, com todos esses rostos usando como base as multifaces de um dos melhores atores desta geração. Leto nem sempre irá acertar, e é fundamental que não o faça; visto que ele não nasceu para ser uma verdade absoluta, ele veio ao mundo para ser uma constante mudança, ora polêmica, ora inquietante, ora genial.

A maquiagem e os trejeitos usados, ao lado dos sacrifícios por seu método de atuação passam longe do comum, e se cruzam nas únicas duas palavras que podem definir este grande ator: Jared Leto.







Nenhum comentário:

Postar um comentário